Marina I. Jones Os Executivos Aventura Humana Tecnologia Mundo Rural Colaboradores

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Marina I. Jones de Volta ao Passado - Cap 12 (by Rogerio Rufino)

Queridos amantes empedernidos desta saga nebulosa, tempestuosa e mentirosa: a partir deste capitulo, esta trama entra em ritmo alucinante, inebriante e estonteante, com múltiplas viagens no tempo-espaço. Pronto, já que gastei todos meus adjetivos logo de início, voltemos para a história que é mais produtivo.

Como se lembram, o fogoso Dilmajet rodopiante com nossas aventureiras de plantão on board, foi abordado por um portal cósmico cujo piloto destrambelhado, desapareceu numa bela explosão estelar, espalhando no espaço sideral, um infinidade partículas penetrantes de alta-eneria, especialmente devido a um  logotipo do corinthias e de um jacarezinho da Lacoste que ornamentavam a vestimenta fantasiosa de nossa astronauta carnavalesca, o que gerou uma infinidade de multas do IBAMAspace, por espalhamento de lixo espacial radiativo sem a devidas guias de autorização de depósito do jeton dos fiscais espaciais. 

- Vamos dar o fora Pingajet, disse Marina Jones.

- Nãoooooooooooooo Protestaram Ana Label e Noemia Tónel agarradas ainda aos últimos recipientes do precioso nectar escocês.

Yessss, disse Mini Selmurai ao mesmo tempo em que se atirava no espaço, em direção ao grande portal que a este momento já estava em bandeira 2, devido o horário. A mine-joquei espacial pulou como de costume, totalmente despreparada esquecendo-se de   sua vestimenta espacial.

Marina Jones puxou suas duas amigas em coma alcoólico para o pequeno space51, um nave de fuga feita especialmente para o presidente em caso de pane, mais que provável,  no Dilmajet e pousaram no interior do Portal Cósmico. A pequena nave, por uma destas incriveis coincidências do destino, capturou a mini-joquei congelada no espaço que, ficou presa numa ponta de um dos imensos chifres que ornamentavam o capô do space51, como num daqueles Cadillac´s de cafetões texanos.

Já dentro do portal, Marina Jones tratou logo de depositar a  pobre freira congelada em cima da primeira geladeira que encontrou naquela catacumba do tempo. E ela ficou ali, freezing,  como um...um pinguim de geladeira.

Assim que se desvencilhou do sorvete ninja, Miss Jones  dirigiu-se a cabine de comando do Portal Cósmico. Uma maravilha tecnológica,  completamente pontilhada de pequenas luzes. No centro, uma espetacular cadeira de executivo, com numero de patrimônio da União e um santinho de Sarney para Senador de qualquer estado. As luzes na verdade eram velas, talvez em função de um trabalho elaborado de candomblé para evitar que alguns perigos do espaço sideral pudessem comprometer o Portal, como olho gordo e mau olhado.

Num crachá pendurado em um dos braços da fabulosa poltrona estava uma foto, que Marina Jones logo reconheceu como sendo do ex-piloto pirotécnico do portal  deduzindo que o serviço de bordo ali era de primeira pois a foto era recente, do atual estágio extra-corpóreo do aloprado piloto: um belo ectoplasma.

Mas, para sua surpresa, logo abaixo da foto, estava o titulo do piloto: Tenente coronel Dalva S., funcionário fantasma e piloto concursado de Portal Cósmico e lotado em Brasilia. 
- Caramba, balbuciou Misss Jones, até no espaço, a fronteira final, estes funcionários públicos estão espalhando seus tentáculos?

- O meu rei, finish, zé finit, chorou copiosamente Ana Label, ao verificar que a ultima garrafa do precioso blend escocês estava definitivamente vazia, o que não impedia que Noêmia Tonel, continuasse sorvendo a garrafa com indecifrável prazer, como num filme pornô. Aquela pouca vergonha espacial, ao menos serviu para despertar a mini freira de sua hibernação cósmica.  De repente o picolé de groselha glacial teve um surto de aquecimento global que fez com derretesse num átimo, sua camada polar e ela saltou do alto da geladeira com os olhos esbugalhados e se contorcendo como uma mini-serpente.

- Ticket por favor, soou uma voz como vinda do além. E era justamente ela, a explosiva astronauta com um picotador em uma das mãos.

- Ai Zizuias, um fantasma - exclamou a incrédula e rastejante Irmã Selmurai. 

- Onde , onde? - gritou desesperada o piloto fantasma e saiu correndo feito um fantasma doido  portal adentro.

- Bem, pelos menos, vamos viajar de qualquer forma com ou sem ticket e pelo visto, sem piloto, resumiu a situação Miss Jones.
- Senhor Chekov, velocidade máxima a frente, dobra 8, disse a Capitã M. Kirk Jones para o oficial de navegação que deveria estar em algum lugar da Tumba Cósmica Espacial.

Passados alguns segundos,  ouviu-se um leve tremor acompanhados de alguns estampidos nos escapamentos Kadron do Portal, mas em seguida roncaram-se os motores que mais pareciam as trombetas de Jericó, e assim que a luz verde acendeu, o portal desapareceu na escuridão eterna do espaço deixando apenas um rastro de luz.  Nossos aventureiros foram jogados na parede oposta do portal, e ficaram lá pregados como paquecas estelares, até que a o Portal entrou em velocidade cruzeiro.


Minutos depois Miss Jones percebe que o portal simplesmente freia no espaço, levantando um turbilhão de poeira cósmica. E engata marcha ré e dispara a dobra 6 ao som de Poeira, poeira, de Ivete Sangalo.

- O que houve senhor Chekov. 

- Senhor, esquecemos um passageiro.

Nossos incrédulos aventureiros olhavam boquiabertos a bela  carruagem shuttle real aproximar-se do Portal.  E então as portas se abriram e um tapete vermelho quilométrico foi lançado no espaço até o shuttle equino real.

A música Pompa e Circunstância ecoou na embarcação enquanto um passageiro era transferido para o portal: a Duqesa de Coimbra, Isabel. Ouvindo a músca, A Freira Niinja jogou uma perna para frente e colocou a mão no peito como se ouvisse o hino nacional.

Assim que entrou no portal, a Duquesa Isabel vendo a nossa mini-joquei Ninja ainda na posição de estátua patriótica,  a requisitou para ser sua mascote durante seu passeio estelar. 

- Senhor Chekov, velocidade máxima, disse Miss Jones

- Para onde mesmo Miss Jones?

- Para o futuro Sehor Chekov, qualquer lugar no futuro, respondeu entediada Miss Jones.

- Roger that, respondeu Chekov.

Algum tempo depois estavam em órbita em torno de uma planeta azul.

- Senhor Chekov, voltamos a terra novamente? perguntou Miss Jones

- Sim senhora, mas estamos a mil anos a frente de nossa era.

- Teletransporte pra todos,  vamos descer, disse Miss Jones e nossas aventureiras logo se viram em meio a uma floresta densa de enormes samambaias e plantas estranhas.

Claro em poucos minutos um Tiranossauro malvadão e barulhento perseguia nossas aventureiras que sairam em disparadas pela floresta primitiva. 

Ana Label e Noemia Tónel, ainda em coma alcoólico petrificado, ficaram estiradas no samambaial e foram ignoradas pelo Rex Malvadão que partiu em toda velocidade atrás de Miss Jones e da saltitante freira Ninja.

No próximo capítulo: a louca espada ou De volta ao Futuro 5









2 comentários:

  1. Oh! céus,oh vida...(Mr. Rogerrufin)
    Continuo com corpitcho de fantasma!

    ResponderExcluir
  2. Até que ficou legal, como disse a Marina, com aquela roupinha da Selmurai.

    ResponderExcluir