Marina I. Jones Os Executivos Aventura Humana Tecnologia Mundo Rural Colaboradores

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Reencontro - Texto de Maria Edith F. A. Rufino

Maria Edith Rufino
A medida que o tempo passa, quando se está longe de casa, mais aperta a angustia e a vontade de rever as pessoas que amamos. 

Hoje conversei via vídeo conferência com meus irmãos, minha mãe e uma afilhada. E a medida que os via ia passando um filme na minha cabeça, suas vidas, seus medos, o mundo de cada um. E por mais que eu quisesse simplesmente deliciar com aquele momento, não conseguia somente vivê-lo, queria tocá-los; e a lembrança de festas, as conversas jogadas fora, as risadas, ecoavam em minha cabeça como um sino que tilintava incessantemente, mas ao mesmo tempo tudo era leve como o orvalho do céu. Uma bênção.

Quando desligamos, subitamente voltamos a realidade. 

Mesmo que o nosso agora, também seja uma bênção do céu, a ausência das pessoas amadas nos deixa frágeis, nos torna carentes e tudo é pouco. Já não basta conversar, precisa tocar, precisa sentir.

Porem já vivi esta experiência antes, e quando estamos sozinhos, inconscientemente vamos voltando pra dentro de nós mesmos, numa busca insensata do que não se perdeu, porém achamos por vias aparentemente tortas, coisas novas dentro da gente, por exemplo a capacidade de reinventar, de redescobrir.

A primeira vez que experimentei tais sentimentos vi que a distância dos que amamos dói, machuca e foi, como hoje, igualmente insuportável.

Depois de algum tempo a saudade não flui no espaço, mas ela acalma e nesta mesma medida o coração e a mente voltam a pulsar compassadamente. Você adquire novos hábitos, conhece novas pessoas e assim forma-se novos círculos de amizade e conhecimento. E vemos pouco a pouco a vida seguir o teu curso.

Nada parou, nada ficou estagnado, apesar de todas as dores. 

Até que, ao revê-los, você  sente que o sangue explode em suas veias jorrando pelos seus poros, e o que estava adormecido, finalmente naquele abraço, se revela. 
 This article is copyright to the author and may not be reproduced without permission

3 comentários:

  1. Prezada Edith, adorei... parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  2. Como eu já disse em seu blog, ficou perfeito! Adorei, adorei! beijoss

    ResponderExcluir
  3. Excelente artigo, fiquei orgulhoso, vc tem um enorme potencial e escreve com o coração. Um beijo

    ResponderExcluir