Marina I. Jones Os Executivos Aventura Humana Tecnologia Mundo Rural Colaboradores

domingo, 11 de julho de 2010

Torrente de Emoções (by Rogerio Rufino)

Estes últimos dias foram os mais sombrios em toda minha vida e ao mesmo tempo, os mais cheios de alegria e esperanças. Cheguei em Curitiba numa tarde fria e cinzenta, dois dias antes da infusão da nova medula em minha filha Kelly. E por uma daquelas incríveis coincidências, que parecem orquestradas, cheguei no momento exato, pois minha esposa acabara de se gripar, e não poderia acompanhar a Kelly nos próximos longos dias que culminavam com o procedimento de introdução da nova medula, a nova vida em minha filha, graças a uma destas pessoas admiráveis, que doam 10 ml de sua medula para salvar vidas.


No dia seguinte fiquei com a Kelly, a tarde quase toda, e acho que foi o dia mais difícil na vida dela. Ela sabia, que no dia seguinte ela receberia sua nova medula óssea, e que tudo poderia dar certo ou não. A angústia da espera para algo imprevisível e desconcertante, uma experiência que eu nunca passei e a maioria de nós nunca passará. Vivemos despreocupadamente, pois nosso futuro é imprevisível, mas naquele momento, acho que em sua cabecinha, ela se sentia como que entrando num vôo cego e desgovernado, sem nenhuma garantia de se chegar ao seu final.


Ela permanecia forte, as vezes chorava, mas sempre forte, a Kelly que aprendi a admirar mais que qualquer pessoa neste mundo, pois sempre conviveu, com tranqüilidade, com o fantasma de um fato, de que sua medula mais cedo ou mais tarde iria parar de funcionar. Não havia como se esquivar ou fugir diante disto, e ela fez aquilo que a maioria de nós talvez não conseguisse, enfrentou e adiou o mais que pode, a falência inevitável da sua medula, levando uma vida praticamente normal, sem choros, reclamações, estudando, se formando e trabalhando desde os 17 anos.


Nos últimos anos, viveu com níveis de hemoglobinas baixíssimos que deixariam a maioria das pessoas de cama, sem forças para caminhar e níveis de neutrófilo abaixo do limite mínimo aceitável, no qual as pessoas têm que se internar para não sucumbirem a infecções. E curiosamente era a que menos gripava na família, outro fato sem muitas explicações a não ser claro, a sua própria força, a firmeza de sua inabalável fé.


Certamente não é uma pessoa comum, faltou-lhe algo, uma medula perfeita, mas foi recompensada com beleza, inteligência, generosidade, caráter e uma vontade de viver sem igual.


Naquela tarde, um dia antes da infusão da nova medula, fui tomado por um daqueles momentos em que a emoção irrompe sem controle e não podemos nos conter. Já a tardezinha, próximo ao final do horário de visitas, ela olha nos meu olhos e diz:


-Pai você vai me deixar?


E chora de maneira tão profundamente triste, mais triste que a propria tristeza, que eu não gostaria que o amigo leitor um dia experimentasse algo semelhante.


Nunca me senti tão impotente, e o máximo que pude fazer foi passar as mãos em sua cabeça e dizer que eu não ia deixá-la nunca. Não podia chorar, eu não tinha este direito, mas aquilo me corroeu totalmente e naquele momento eu sabia, eu podia compreender toda dimensão do meu amor , bem como toda minha fragilidade, minha limitação de ser limitado no tempo e no espaço.


Não pude, finalmente, conter as lágrimas, neste momento ao relembrar de seus olhos, como que pedindo um socorro, naquele instante.


No outro dia, ela estava mais calma, acho que todo o choro do dia anterior lhe deu as forças necessárias. Eu não tive escolhas, só precisava me manter aparentemente calmo e seguro, mas não estava.


Mas tudo correu bem, a medula começou a gotejar lentamente em suas veias as 10:40 da manhã e só foi parar de correr 12 horas depois, e uma nova vida se iniciou. O processo é semelhante a uma transfusão de sangue. E todos foram se acalmando.



Umas três horas depois, alguns sustos. Primeiro sangue, mas que felizmente não era na urina, mas sim devido a um corrimento natural provocado por um inicio de menstruação, mas tinha que acontecer exatamente naquela hora?


Logo depois, um início de dor de cabeça e aumento gradativo da pressão, até que ela, já chorando, me diz :


- Pai a dor está muito forte...


Chamei as enfermeiras e elas disseram que a médica já vinha, todos eles em emergências, algo que não queremos mas temos que entender. Mas ela chorava e no momento que ela me disse sentir uma pressão no peito, o máximo que consegui foi dizer para a enfermeira:


- Moça traga uma médica já ou ela vai enfartar em meus braços.

Felizmente a médica veio na hora, e com toda calma disse, que a pressão não era preocupante, e era um acontecimento absolutamente normal durante uma infusão.Mas aquela longa jornada noite adentro ainda deu nos mais alguns sustos, mas felizmente, todos eles, apenas relacioados com a pressão arterial e dor de cabeça.

Foram os momentos mais duros que já experimentei, pois o desconhecimento exagera nossos temores e como Miguel de Cervantes disse:

“O medo tem muitos olhos e enxerga coisas nos subterrâneos.”

Hoje passados 4 dias depois da nova medula, Kelly está ótima, sem quaisquer sintomas, graças a sua força indescritível e aquele que anda sempre ao nosso lado. Isto aliado a excelência do Hospital das Clínicas de Curitiba, onde cada paciente possui sua enfermeira, que visitam seus paciente com pontualidade britânica e atenção especial, nos dando uma tranquilidade e firmeza para o futuro.
 This article is copyright to the author and may not be reproduced without permission.