Marina I. Jones Os Executivos Aventura Humana Tecnologia Mundo Rural Colaboradores

sábado, 21 de agosto de 2010

Marina e Capitão Gu Enfrentam Che Gayvara - Capítulo 6



Minibiografia: Patrícia é socialite, top model, odontóloga  cosmonóloga, astróloga e sexóloga de renome entre a crème de la crème, a high society de pindorama. Proprietária da clínica “Amigaaaa!!! Te amoooo!!! Saudades!!!” com suntuosos consultórios de dois pavimentos em Brasília com atendimento personalizado para a upper, middle e lower class, esta, a gloriosa classe operária e desdentada, é atendida no porão (basement) com direito a senha de entrada e cadeirinhas de plástico, somente na hora do atendimento. Quando não está esquiando em Aspen ou na Austria ou Suiça, ela atende com exclusividade as socialites caquéticas na Ilha de Caras, principalmente após os saraus (ou varaus como são conhecidos na ilha) regados a muito champanhe e whisky, que trazem conseqüências catastróficas e previsíveis para as centenárias socialites, todas sofrendo precocemente de certa rigidez cadavérica em função do estiramento progressivo e permanente de suas peles, ou couros de tamborim, resultados de longos anos de incontáveis plásticas na tentativa sempre frustrada de um rejuvenescimento impossível. Depois de um ou dois goles, as velhinhas de sorrisos permanentes devido ao botox, se despencam nas pedras das praias de Caras quebrando aquilo de melhor que o dinheiro lhes permitiu adquirir: os dentes.

Como os dentes são fundamentais na seção de fotos na tarde seguinte, as socialites em fila indiana buscam os serviços de recuperação estética a jato da Dr. Patrícia, que cobra pequenas fortunas para cada arcada dentária recuperada ou, em alguns casos, por arcada dentária identificada, quando a socialite vitimada não resiste a queda sofrida e passa desta para uma melhor sem uma foto sequer na próxima edição da Caras. Mas, devido a sua fome insaciável por exposição, a celebridade empacotada ainda consegue descolar algumas fotinhas, preto e branco, nos obituários dos jornais e arquivos do IML.
Patricia, morou algum tempo na casa do capitão Kibe nos EUA, e sempre foi amiga da família Kibe, pelo menos até a publicação desta biografia.

Marina e o Capitão Gu encontram o comandante Che GayVara

O sol já ia se pondo na floresta escura quando nossa aventureira Mis Jones e seu atual escudeiro capitão Gu, o cavaleiro negro, encontraram seu primeiro obstáculo na sua busca frenética pelo misterioso dom Hidalgo. Foram interceptados pelo grupo do comandante Che Gayvara e suas gazelas saltitantes, um grupo de mercenários especializados em contra-ataques na retaguarda do inimigo. Vestidos a caráter com indumentária do Village People, foram logo sacando suas espadinhas e iniciaram uma coreografia performista e transformista para assombro do Capitão Gu, cantando assim:

- Guerreiros com guerreiros fazem zig zig zag, cantavam as bibas guerreiras.
- Marina, viver é negocio muito perigoso. Eu quase que nada não sei. Jagunço é isso. Jagunço não se escabreia com perda nem derrota - quase tudo para ele é o igual. E sei que em cada virada de campo, e debaixo de sombra de cada árvore, está dia e noite um diabo, que não dá movimento, tomando conta, mas isto aí já é demais, é o mundo a revelia.

Ao terminar sua cantilena Verediana, o capitão Gu levou as mão até a altura da nuca e sacou sua espada samurai milenar, a qual provocou uma ração unânime da bicharada:

- Nooooossaaa!!!

- Só pode haver um!!! Gritou o capitão Gu e partindo para o ataque.

E então o que se ouviu foi só o som dos golpes dos guerreiros;

- shup, aaaauu, shup, aaaauu, shup, aaaaauu, shup aaaaauu.

Ao longe Fred Mercury entoava sua melancólica canção de highlander:

“Who wants to live forever?
Who wants to live forever?
Who dares to love forever?”

E depois nem o silencio vibrava mais na mata.
To be continued!

9 comentários:

  1. Mais personagens! Muito prazer Miss Cremmé Patrícia.
    Tio Rogério, creio que o frio de Curitiba não tem feito muito bem para seu "pobre" cérebrozinho. Acho que ele está em curto...ou será o meu? Já não consigo acompanhar sua saga que cada capítulo na verdade é uma louca estória. Acho que preciso beber mais um pouquinho para conseguir processar tanta informação.
    Bye.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente nao posso acompanhar esta saga, pois não faço mais quimio e por mais que continuo com forte medicação, não é tão forte assim...
    Outro dia peguei ele dançando igual ao Bob Marley...e cantando:

    "Eu vi gnomos...gnomos verdes e amarelos...
    Na selva, na relva crescente, gnomos em torno da gente..."

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Ilário caro "ré no Kibe"!!! Realmente intrigante sua perspicácia investigativa. Desvendar minha infalível tática de angariar fundos e mundos para torrá-los nos alpes suíços foi extremamente fantástico! Ninguém jamais sequer suspeitara de tal fato. Mas confesso que me deixei ser descoberta, para que pudesse fazer parte desta saga que, em pouco tempo, terá os direitos comprados pela gigante Rede Globo de telenovelas. Assim estarei mais perto das mais ilustres pacientes globais, e alpes suíços serão passado. O alcance será maior! Buscar um lugar ao sol terá sido mais fácil do que eu imaginara... Mas enquanto Mr. Marinho não desvenda nossa história, recorrerei à minha mais nova amiga enóloga Keila, para que fabrique em seu laboratório algo mais consistente e devastador que esses whiskys e champagnes servidos na ilha de Caras. Confesso que me cansa ter que ficar fingindo gargalhadas em resposta aos papos mais descabidos de minhas pacientes caquéticas milionárias... aquelas com couro de tamborim! Enquanto elas dão dois goles para enfim se lançarem ao solo e destruírem o objeto do meu sustento, muito do meu precioso tempo se vai... Talvez minha amiga Keila me ajude em algo com apenas um gole, ou quem sabe até somente um cheirinho! It would be perfect! Quero algo de impacto imediato! Para surtir efeito antes mesmo dos varaus. Quanto à nossa amizade Mr.Ré no Kibe, está com os laços cada vez mais estreitos. Só não podem ser mais apertados, ou realmente arrebentarão! So, take care! Esta sua família, pela qual tenho um apreço imenso, foi até inspiração para o nome de minha ultra mega master clínica de 2 andares, a “Amigaaaa!!! Te amoooo!!! Saudades!!!”. É isso então! Deixo o meu mais profundo abraço e o desejo de ver mais do seu talento!

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkk a trilha sonora desse capitulo foi a mais fantástica "who wants to live forever"! só vc mesmo pai! Adorei a biografia da Miss Cremmé Patrícia. Agora, kelly, grava a proxima vez que meu pai dancar gnomos na sala! Tenho que ver este fato! Kisses you all!

    ResponderExcluir
  7. Minha querida socialite and top model Pat. Fico feliz em ter contado um pouquinho de sua biografia neste blog e seu despojamento a lá Robin hood, de prestar seus serviços às velhinhas da Ilha de Caras enquanto arranca seus couros (de tamborim) para prestar solidariedade aos desabrigados de Aspen e nos Alpes Suiços, fornecendo-lhes o caviar e o champanhe tão necessários a sua sobrevivência naqueles locais inóspitos. Um beijo. Saudadesss!

    ResponderExcluir
  8. Nem vou dizer nada viu! Nunca fui apresentada à personagem, então 100 palavras, mas tô na área e na árvore, me tira de lá Mr.Ruffus, tô cansada!
    abreijos a todos, da mega incrível Irmã Selmurai a maiore entre as menores!!!

    ResponderExcluir