Marina I. Jones Os Executivos Aventura Humana Tecnologia Mundo Rural Colaboradores

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

O Sentido da Vida (by Rogerio Rufino)

Curioso é a vida: cada pessoa experimenta sua real dimensão em tempos distintos de sua existência. Eu só fui descobrir o que realmente importa aos 51 anos, pois é preciso admitir, foi só quando me deparei com o meu primeiro problema real, os outros todos foram e hoje tenho plena consciência disto, imaginários.  E tudo estava bem em minha frente: minha família.

E o meu primeiro problema, não foi exatamente um problema comigo, mas com alguém muito mais importante que eu, uma das minhas filhas,  Kelly, que se submeteu a um transplante de medula, com sucesso, aos 26 anos de vida.

A minha vida até então foi uma sucessão anelante de projetos e sonhos que fui orquestrando e desenvolvendo ao longo de minha existência. No início da minha carreira, se resumia basicamente ao mundo Telecom, do qual eu respirava 10, 12 horas por dia. Foi pleno e gratificante, mas um certo dia, estava numa fazenda, em pleno inverno brasileiro, numa tarde fria com um céu completamente azul, e fiquei ali contemplando em silêncio o sol, com seu raios espalhando  sua energia, ou seja, a vida, sobre aquela imensa paisagem desolada a minha frente e compreendi, que país nenhum neste mundo tem a riqueza que o nosso possui, pois me lembrei dos dias gelados que eu já havia experimentado nos  Estados Unidos, com a neve cobrindo de branco todo o horizonte, não permitindo que nada florescesse naquelas condições extremas.

Neste mesmo dia resolvi que iria adquirir umas terras por ali, e de fato o fiz e isto foi em 1997. Naquele mesmo ano mudei com minha família para os Estados Unidos, numa cidadezinha adorável, chamada Rockville, no estado de Maryland, há 15 minutos de Washigton, DC. Voltamos no início de 2000, e eu conciliava meu trabalho em Telecom, com os projetos na fazenda, mas é claro que a fazenda foi me absorvendo mais e mais a cada dia, até que em 2004, por uma série de motivos, já mencionados em artigo anterior neste blog, resolvi a me dedicar apenas à fazenda, algo impensável para a maioria das pessoas e que até hoje não foi totalmente compreendido por minha esposa, pois ela vêm de uma família também de produtores rurais, e já experimentou os dissabores a que estão sujeitos aqueles que  se atrevem neste ramo.

Mas iniciou-se ai o que eu chamo de meu processo de humanização, pois antes vivia e pensava como um executivo, ou seja, era movido apenas a vaidades e ambições, e os meus valores eram os mesmos de qualquer executivo: o importante é produzir resultados, lucro e principalmente se manter em evidência dentro do mercado.

O mundo dos executivos tem certa semelhança com o mundinho das celebridades. A diferença é que no mundo dos executivos a inteligência ainda é recompensada e conta, e no das celebridades a falta de inteligência é condição sine qua non. Mas isto é outra história.

Mas, ali no campo, eu comecei a experimentar algo que eu conhecia pouco, ou seja, a vida, em todo seu esplendor.  A natureza se renova, dia após dia, e você vê a vida nascer, renascer, crescer e se multiplicar. Os detalhes vão se acumulando  a cada momento, a cada lugar e  há sempre  algo inusitado, algo diferenciado. Poucas coisas mais gratificantes do que lançar  sementes na terra, e vê-las germinarem,  crescerem e se transformarem num campo vigoroso e cheio de vida. A vida se mostra exuberante. As vezes caminhando nas pastagens, ou nas matas,  subitamente nos deparamos com um animal ainda não extinto, os tamanduás são os mais comuns. Eles ficam ali, absortos com suas crias presas aos seus corpos, caminhando as vezes por minutos ao nosso lado, com suas garras poderosas, que poderiam nos estraçalhar em segundos, mas não, agem como sequer estivéssemos ali.

À noite, se tivermos sorte, podemos nos deparar com  o belo Lobo Guará,  ou até mesmo uma onça parda, que tive a sorte de ver uma única vez, ou capivaras, ainda caçadas inescrupulosamente e sem piedades por alguns idiotas que ainda insistem nesta prática absurda e desnecessária.

Mas é nos bezerrinhos que podemos realmente perceber a vida em todos seus detalhes. Vê-los crescer e se tornarem adultos, pois o gado têm uma vida muito breve, e um bezerro se torna um animal adulto em apenas 2 anos, nos dando uma noção clara, de todo a dimensão de uma existência. Nós sentimos alegrias e tristezas e assim como eles, nos multiplicamos e morremos.

E assim iniciei meu processo de humanização, mas ainda continuava movido a projetos e sonhos, com pouco tempo para minha família, até que se iniciou o processo do transplante da Kelly propriamente dito e eu fui para Curitiba, pela primeira vez em 6 anos me ausentando por mais de 3 dias da fazenda.

E ali, dia após dia, fui descobrindo, aquilo que estava escondido ou adormecido em alguma parte de mim: a coisa mais importante nesta  vida é nossa família. Toda  razão da vida se concentra em algumas  pessoas específicas: esposa e filhos. E qualquer problema com um deles, torna as outras coisas tão distantes e superficiais que a princípio, custei a entender. Mas depois ficou claro, a qualquer sinal de perigo o amor de pai ou mãe fala mais alto e torna tudo mais secundário.

Cheguei ontem de Curitiba, estou na fazenda e já é madrugada, mas minha  passagem de volta já está marcada. Foi extremamente difícil sair de Curitiba, mas eu tinha que vir, mas saí de lá com o coração partido, foi uma das viagens mais difíceis que já fiz, mas, já marquei minha passagem de volta.

Hoje, minha filha  mais nova que se mudou para o Tocantins, próximo a fronteira do Maranhão e  me ligou com voz embargada, dizendo dos receios da nova jornada em sua, vida num local tão distante. Eu disse algumas coisas a ela que não me lembro bem, mas nestas horas, acho que Alguém coloca certas palavras em nossas bocas, talvez as palavras necessárias. A noite ela me ligou feliz dizendo que o dia tinha sido ótimo.

Mas, já resolvi, nunca gostei muito de avião, mas acho que estou virando o Mr. Flying Away. E de Curitiba vou voar lá pelos rincões do Tocantins para vê-la, pois afinal, não há nada mais importante em nossas vidas, todo o resto, é apenas vaidade, embora necessária.  

 This article is copyright to the author and may not be reproduced without permission.

18 comentários:

  1. Hoje mesmo enviarei este blog para alguns colegas que com toda certeza precisarão muito ler e re-ler este e-mail para entenderem antes que seja tarde o grande sentido da vida...

    Karen A. Rufino

    ResponderExcluir
  2. Rogério!!!!
    Hj pela manhã estava comentando com a Karen sobre um livro que estamos lendo, o "Ah, Se Eu Soubesse", um livro de leitura fácil e rápida, destes bons de se manter no banheiro... rsrs onde grandes executivos e empresários relatam de forma breve o que teriam mudado durante sua trajetória de vida. Muitos dizem que teriam se dedicado a aprender algum idioma, outros dizem que teriam morado em outro país.... Mas é incrível, em 100% dos relatos, estes reconhecidos profissionais, sempre chegam a mesma conclusão.... Teriam dedicado mais tempo a família e as pessoas que realmente amam.
    Este texto que você escreveu hoje é mais uma oportunidade, pra nós que estamos iniciando uma carreira, de refletir e sem precisar tomar os tapas da vida, tomarmos as decisões que nos levem a viver de forma a privilegiar as coisas que realmente nos importam!!!
    Grande abraço!!!

    Douglas Pitarello

    ResponderExcluir
  3. Vc descobriu a tempo o que realmente é válido nesta vida. Terá muito tempo ainda para desfrutar de sua linda família. Algo que será possível com maior facilidade devido a sua dedicação ao trabalho vivido anteriormente. Como vc mesmo disse, nossa vida é cíclica: houve o momento do trabalho, dos projetos, das concretizações e agora pode viver sua vida familiar. Por mais que pensemos em nos dedicar completamente a família é preciso sobreviver. Por isso, admiro meu marido que disse certa vez: "eu poderia trabalhar de sol-a-sol, mas não quero. Quero ver meus filhos crescerem." E apesar de sermos jovens eu também optei por isso e diminui minha carga horária de trabalho de 12 a 14 h/dia para 6 ou no máximo 8. E estou muito mais feliz.

    Vá mesmo bajular a Marininha e a Karen. Elas também estão precisando.

    Amos essa família. beijocas.

    ResponderExcluir
  4. Douglas, Ah, Se Eu Soubesse deste livro antes não teria demorado tanto a descobrir. But it´s true. Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Quem diria minha sobrinha favorita, descobrindo as coisas mais cedo que eu. Um beijao.

    ResponderExcluir
  6. Karen, você sabe o comentário da Kelly: Tá pensando que é maraja, e vai ficar voando para lá e para cá, larga disso e vai trabalhar e cuidar das minhas vaquinas. Pai sofre. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Querido papai, como ja disse anteriormente no meu blog de grande sucesso, o meu transplante tambem foi um presente, pois descobri o tanto que sou amada, o tanto que somos unidos, e o melhor de tudo, o tanto que a presença de Deus sempre foi e eh grande em nossas vidas!!!
    Amo voce!!!! Mas nao se esqueça de trabalhar, pois preciso das suas vaquinhas!!!

    ResponderExcluir
  8. Mr.Rufus, depois de ler com lágrimas nos olhos, sou mesmo chorona, perdi meu pai com dezenove anos e até hoje sinto a falta do colo dele...seu comentário cheio de coração e emoção muito além do que a razão pode ditar...hoje não me apetece travar "guerrilha contigo" quero celebrar o pai que existe dentro de você e agradecer a Deus por ter marcado a hora D'Ele na sua vida, Ele deve ter ficado muito feliz, não é gostoso o abraço d'Ele? É lugar de chegar e ficar de nunca mais ir embora. Quero então hoje rezar por você lembrando meu pai, abraça mesmo suas filhas, vibra com elas sinta que tudo é importante na vida delas, o ser feminino é muito sensível a qualquer virada de temperatura...e que bom que o despertador tocou na hora exata, foi o tempo de Deus,foi o orvalho da graça, fica hoje meu testemunho público no seu blog, afinal tenho a dívida de lhe angariar alguns milhões de seguidores, com todo meu carinho e amizade e obrigada por ser o pai que é, é como se eu pudesse abraçar o meu pai de novo, vou parar...não sei porque não consigo mais ver o teclado :)um abraço que diga tudo da sua fã nºzero Irmã Selma

    ResponderExcluir
  9. Aqueles a quem amamos são eternos, permanecem em nossos corações, em toda nossa existência. Lamento por sua perda ainda tão jovem. Deve ser muito difícil, fatalmente doloroso, mas tenho certeza que de alguma forma o amor dele preencha um pouco do vazio da perda. Sinta-se abraçada também, com o amor de um amigo distante, mas um uma amizade sincera. beijão.

    ResponderExcluir
  10. Bom Dia Mr.Rufus, você ainda dorme e já me fez chorar de novo, vantagem minha é que freira não usa maquiagem :), obrigada pelo abraço que foi melhor do que presente de natal. Sei que meu Pai está comigo, o nome dele diz tudo EMANUEL=DEUS CONOSCO! Hoje quero celebrar todos os pais, vocês são aquela cabana que a gente tem no meio da mata e gosta de ficar lá horas sem fim, quietinha de bem com a vida, é lugar seguro, é ponto de paragem obrigatória, nós precisamos desse lado forte em nossa vida! Beijão meu amigo, seja mesmo esse pai-presença, é o que basta e o AMOR É ETERNO, SEM ELE NADA VALERIA!!! Obrigada por sua amizade, que mesmo a kms é tão próxima! Fique com Deus e feliz dia!!!!
    p.s.: Não pensa não que amoleci...amanhã já recoloco minha armadura, afinal temos de afinar a nossa saga! Beijos!!!

    ResponderExcluir
  11. Mio papa que tenho tanto orgulho e adimiração, sera uma benção te-lo ao meu lado. E minha mamãe quando puder vir. beijosss neste dia tao especial. Dia dos pais!

    ResponderExcluir
  12. O amor da minha!!!!!!!! Não entendo mesmo, mas não é porque não quero, é que acho desperdício alguém tão grande intelectualmente, uma biblioteca ambulante diga-se de passagem, ficar confinado da forma que ficou. Porém o mais importante vc tem, o meu apoio bicudo, mas apoio. Esta reflexão quer dizer que agora vc terá hora de almoço?, jantar? e visitar os vizinhos?????????? e quem sabe até passear na praça, comendo pipoca??? Espero realmente que a resposta seja SIM.
    Quanto a familia, esta nunca foi dsamparada, convencidamente, é porque vc sabia que eu dava conta do recado. Pois o essencial vc proporcionou de sobra. Nunca percebeu que vc é o equilíbrio nosso? Vc é o meu peão favorito! Lov yu

    ResponderExcluir
  13. Well, pipoca?? praça?? Acho que está na hora de rever meus conceitos. Brincadeirinha, mas teremos muito mais tempo sim.

    ResponderExcluir
  14. Vá lá peão Mr.Rufus, o que tem demais ir para a praça comer pipoca e jogar metade para os pombos?...agora fui senão apanho hoje ainda,FELIZ DIA DOS PAIS!!!thanks por tudo o que é,é a mão de Deus!!!Freira Ninja em processo da adaptação!

    ResponderExcluir
  15. Pai!! Peça para a Kelly ler mais o seu blog!!kkk ela esta muito capitalista!! anemm viu!! Beijossssssssss

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. "No entardecer da vida seremos julgados pelo amor" O amor tudo perdoa, tudo crê, tudo suporta, nunca morre" Grande São Paulo, beijos amigos, no amor de Deus amo muito vocês, com amizade e prece, Irmã Selma

    ResponderExcluir
  18. Roger, ma-ra-vi-lho-so meu amigo....

    ResponderExcluir