Marina I. Jones Os Executivos Aventura Humana Tecnologia Mundo Rural Colaboradores

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Retrato do Brasil em 2013 Após Vitória de Dilma (by Rogerio Rufino)

Rogerio Rufino
Nossa aventureira incansável continuava sua marcha pelas úmidas e escuras florestas do IBAMAzônia, quando de repente se deparou com um imenso Portal do Tempo. Mis Jones, sócia de carteirinha dos filmes de Hollywood, foi logo procurando o manual de instruções que estava logo abaixo da placa de leds, Made in China, que dizia: Portal do Tempo. Propriedade de Smallville, Warner Bros. Siga as Instruções.

Deu uma olhada em diagonal no manual e o atirou na mata, pois não tinha paciência para ler aquela coisa, com todo bom brasileiro. Apertou alguns cristais com numeração criptoniania e disse:

- Vamos lá minha cara freira Selmurai. Vamos fazer um teste prático.

- Ora pois, pois e como vamos fazereeeeeiii. Chup.

A freirinha mal teve tempo de terminar sua frase quando foi atirada por Mis. Jones nas entranhas do portal. Assim que a pobre ninja desapareceu no buraco negro em tecnicolor, Mis Jones ativou o cronômetro de seu legitimo relógio suíço de 13 mil dólares (cada mil unidades em Chinatown).

Após alguns segundos, Mis Jones apertou outros cristais e a freira apontou no portal como um tubarão branco de Spielberg saltando fora d’água. 

Para não perder o costume, a pobre freira foi se espatifar de ponta cabeça num imenso formigueiro que amorteceu sua queda. Assim que se livrou das imensas formigas assassinas, com golpes de King Fu, foi questionada por Mis Jones, que ainda contemplava pensativamente o portal:

- Cara Selmurai, parece que você está com catapora?

- Podes sere, podes sere, ai zizuis - respondeu a freirinha toda picotada pelas amáveis formiguinhas.

Num átimo, Mis Jones pegou a freirinha e saltou com seu cavalo para o interior do portal, desaparecendo-se no turbilhão de imagens alucinógenas e cintilantes, acompanhadas de sons ensurdecedores, em surround dolby dinâmico quatro dimensões.

Já do outro lado, as duas se estatelaram no chão, pois o cavalo havia desaparecido na viagem do tempo, mesmo porque ele não tinha mais nenhuma utilidade na história. O coitado do rocinante foi desintegrado unicamente para atender a preguiça deste autor em lidar com mais de dois personagens no mesmo capítulo.

Ao se levantarem espalhando a poeira cósmica radioativa na floresta, eliminando parte de nossa rica diversidade biológica e alguns gnomos, elas avistaram uma aduana de fronteira, com vários soldados fortemente armados com modernos mosquetões automáticos e ferozes cães mini-pinscher. No alto, tremulava uma tristonha bandeira vermelha do Brasil, ao lado de uma imensa placa, em portunhol, onde se lia:

- Bienvenido a URSBCD - Unión de las Repúblicas Socialistas del Brasil de la Camarada Dilma ou Dilmalândia.

Aproximando-se do soldado, Marina Jones perguntou:

-What the hell is this shit?

- Prendan la chica!! Es una mui peligrosa agente imperialista del Obama.

- Calma fuzileiros, sou brasileira, olhe minha CI. Mas quem são vocês e por quê falam nesta língua?

O soldado deu uma olhada e disse:

- Esta é nuestra nueva língua oficial. Camarada Dilma quer lo Brasil em la America Latina.

- Sei, mas que fronteira é esta aqui no meio da Amazônia?

- No sabes? Camarada Dilma presenteou o Camarada Hugo Chaves com umas terrinhas: a Amazônia.

- Legal, ela doou mais alguma coisa.

- Oh si, si, si. Ela doou todo o centro oeste para nuestro amiguito Camarada Morales de La Bolívia e o Sudeste para o comandante Lugo del Paraguai, como recompensa por crimes de guerra praticados contra los dos países ermanos.

- Sei, então ficamos como Nordeste, certo?

- Oh si, si, si. Ficamos com la riqueza. Lo frievo e el Maracatu, la macaxeira, la buchada de bode...

- Já basta. ¿Por qué no te callas?

Largou o guarda resmungando e seguiu em frente arrastando a irmã Ninja.

Ao longe avistaram um magistral palácio retangular estilo siberiano ou Bangu I, no qual, um imenso Neon, identificava como: INCRAbras.

Bem na entrada do edifício, uma salinha, coisa modesta, com mais de quatro mil computadores, nos quais os funcionários públicos compenetradíssimos, jogavam Fazendinha e Colheita Feliz no Orkut.

Noutra sala ao lado, repleta de mesas de sinuca, centenas de funcionários públicos exauridos com as intrincadas questões agrárias nas suas fazendinhas, descasavam praticado um esporte saudável, recomendação do RH.

Intrigada com aquilo tudo, a freirinha Selmurai finalmente comentou:

- Mas não estou a entendere, ninguém estare a usare o facebook, só a orkutiare. Isto é coisa do terceiro mundo.

Marina Jones, ficou ainda mais irritada por perceber que a freira desmiolada tinha razão pelo menos desta vez. Nas telas dos computadores se lia. Orkut, mais um produto Googlebras.

Mais tarde descobriram que, logo que a candidata eleita assumiu, estatizou todas as empresas existentes no Brasil, e todas receberam o sufixo Bras, para caracterizá-las como empresas genuinamente brazucas.

Assim, agora existia a Microsoftbras, a Shellbras, Coca Colabras etc. Mas não só as grandes ganharam o sufixo, foram absolutamente todas, criando-se pérolas como a Tinturaria do Chinabras, Bar do Silvabras, Padaria do Joaquinabras, a Petrobasbras, a Gurgelbras (maior fabricante de carros do país) a Globobras e uma miríade interminável de bras, o que permitia a Camarada Dilma dizer orgulhosamente nos seus discursos que éramos os maiores detentores de bras do mundo.

Usando um terminal que estava disponível na sala, Mis Jones acessou o tal Googlebras que trouxe dezenas de vídeos da camarada Dilma no YouTubras. Num deles, ela pode ver sua vitória esmagadora nas eleições realizadas há 3 anos, e suas principais realizações até então.

Como toda população agora era obrigada a se filiar ao PTD, Partido dos Trabalhadores da Dilma, o congresso nacional foi fechado, pois não era mais necessário, e mesmo que fosse, Brasília havia sido doada para a Bolívia e não havia onde acomodar tanto político.

Entretanto, as eleições para deputados, senadores e demais cargos continuavam a serem realizadas, para garantir o maná da classe política e sua obediência aos ideais do governo. Como não havia mais congresso, os nobres políticos eleitos faziam o que bem entendiam, vivendo em férias permanentes, o que provocou o seguinte comentário de Mis Jones:

- Bem, pelo menos neste quesito não mudou nadica de nada.

Os antigos proprietários de terras como o Coronel Kibe, Rodrigo, Noslen, personagens desta saga e milhares de outros foram deportados para a Ilha Martin Vaz, um imenso rochedo, localizada no meio do Atlântico. Ali os ruralistas cumpriam sua rotina diária de 12 horas quebrando pedras para o governo.

“Pobre dad, deve estar lá quebrando pedras agora. Mas até que deve ser saudável para ele. Reduz colesterol”, pensou Mis Jones.

Saindo do caixotão do INCRA, as aventureiras entraram noutro prédio, pertencente a Universidad Federal de la Dilma, possuindo centenas de salas de aula, repletas de professores e alunos, pois no sistema socialista da Dilmolândia, cada aluno deveria ter um professor, para melhorar a qualidade do ensino.

Caminhando entre os corredores, Marina ouviu um grito:

- aiii, porque não olha onde pisa.

Marina Jones havia acabado de pisar nas mãos de sua prima Keila, que era professora com dedicação exclusiva ali (DE), pesquisadora DE, candidata a prêmio Dilmanóbel, top model, enóloga(DE) e líder do projeto de desenvolvimento de armas bacteriológicas para fins pacíficos para o exército venezuelano e iraniano da Coréia do Norte, como já mencionamos no capítulo 5 desta saga.

- O que está fazendo aqui prima?

- Bebendo horas!!

- Não tonta, quero saber o que faz nesta Universidade?

- Ué, sou professora DE né. De vez em quando é bom aparecer né. E agora que a camarada Dilma criou as cotas para negros, amarelos, pardos, gays, vagabundos, portadores de títulos de nobreza, vencidos e protestados, preguiçosos e sei lá o que mais. Gastamos um tempão classificando os alunos, para falar a verdade,  a metade do ano.

- E a outra metade?

- Não sei, não me lembro bem, mas também não fico aqui tanto tempo assim. Tenho outras coisas para fazer. Por exemplo, hoje estou voando para a capital federal, Recife, para receber meu Dilmanobel por minhas pesquisas.

- Legal, prima mas acho melhor eu e a freirinha voltarmos antes que seja tarde demais.

- Mas, nem querem experimentar minha arma biológica de destruição maciça?

Nãoooo!!! E correram em disparada de volta ao portal do tempo, rezando para que tudo aquilo fosse um sonho apenas.
 This article is copyright to the author and may not be reproduced without permission.

9 comentários:

  1. OI Bocozão!!!Era melhor fundar a Ruffuslândia com grandes telões passando essa saga, com brinquedos até 5ª dimensão, você deixa qq realizador longe da real, você está com a medicação controlada???=)sei não...acho que tem algum com efeitos colaterais. Eu falo muito pouco nessa Saga e a Marininha se irrita muito fácil comigo, onde fica a camaradagem dos aventureiros? E sabe de uma coisa seu dossie no Vaticano já deu entrada na sala da Chefia, e tubarão branco sabe quem é?...pena tenho de ire embora agora já é tarde, boa noite mente desmiolada de banda desenhada,fica com Deus!!!Como é duro ganhar um lugare nas luzes da Ribalta! ABREIJOS!=)

    ResponderExcluir
  2. O negócio é o seguinte: não sei pq a freirinha foi reduzida a uma bonequinha de bolso em capítulos anteriores e agora eu também fiquei tão pequena ao ponto de minha prima pisar em minha mão sem me enxergar!! E eu ainda não sou DE mas sou louca pra ser. E Quem foi que disse que professor da federal não trabalha? Eu estou trabalhando e muito, rrrrsssss.

    Ai, vou ali preparar um poção especiare para o senhore MR. Ruffus, vou colocare sua incrivele estória em prática real... Matarei o Senhore com a mais nuova arma que tenho.

    Adios.

    ResponderExcluir
  3. Tadinha da freira ninmurai!!! Vc so acaba com ela! Na UFU dois amigos meus foram expulsos por tacar uma pessoa no formigueiro. Cuidado pai, isso da punicoes severas! E venho aqui proteger minha priminha keila, ela nao e tonta, sao apenas reflexos das porcoes magicas. É que ela, ao invez de testar as porcoes em ratos, usa o proprio organismo. Mas claro, puro protecionismo aos animais! Pai, e até quando vc vai ficar quebrando terras na ilha? Senti falta da trilha sonora nesse texto. Te amo! beijosss

    ResponderExcluir
  4. Até eu estou com dó de mim, isso não é justo. Você detém todo o capital da redação, não ameniza as quedas, já estou pior bêbado em tiroteio, não vai ficar assim não minha vingança angeólica, muito bem arquitetada, com todos os Querubins, Serafins, Miríades, Postestades, Anjos, Arcanjos (tem mais mas agora não lembro...)convocarei a todos, vou fazer uma revolução, daremos cabo da "Ruffusmania" aí seu império estará ameaçado, e etc...pena acabou meu tempo de antena!!!!ABREIJOS!

    ResponderExcluir
  5. Bem, isto eu acho engraçado, o pobre Kibe pega fogo, cai de cachoeira, quebra pedras e ninguem, nenhuma viva alma reclama, acham até engraçadinho. Agora, quando é a irmã Selma, aí todo mundo fica com dozinha e ameaçando este pobre escriba. Assim não dá.

    ResponderExcluir
  6. Não venha se fazer de vítima Sr. Ruffus...Não fez mais que a obrigação até então.
    Marininha, valeu o apoio. E vc acertou, pois não consigo trabalhar com os camundoguinhos, não posso sacrificá-los. Melhor eu mesma, né?Mandarei uma poção mágica pra vc também.

    Beijocas.

    ResponderExcluir
  7. Rogério, sou seu fã incondicional meu amigo... pra variar, vc continua a mesma pessoa fantástica de sempre... que saudades!!!! Beto De Lucca (mudei minha identidade amigo, num me chamo mais Márcio...rs). Abração!!!

    ResponderExcluir
  8. Eu tava pensando depois que a dona louka for presidente e te colocar na cadeia....quem irá escrever estas estórias tão amenass e sen fun politico?

    Beijosss

    Dona princesinha!

    ResponderExcluir
  9. kkkkkkkkkkkkkkkkkk isto é uma grande gargalhada, nao pode ser somente rsrsrs, fantastico!

    ResponderExcluir